Linux: nova terminologia proíbe termos como 'lista negra' e 'escravo'
Linux: nova terminologia proíbe termos como 'lista negra' e 'escravo'

A equipe do Linux não recomendou termos específicos, mas pediu aos desenvolvedores que escolhessem conforme apropriado. Os novos termos devem ser usados para novo código-fonte escrito para o kernel Linux e sua documentação associada.

As alternativas propostas para mestre/escravo incluem:

Publicidade
  • primária/secundária
  • principal/réplica ou subordinado
  • iniciador/alvo
  • solicitante/respondente
  • controlador/dispositivo
  • host/trabalhador ou proxy
  • líder/seguidor
  • diretor/performer

As alternativas propostas para lista negra/lista branca incluem:

  • lista de negação/allowlist
  • blocklist/lista de aprovação

Os termos mais antigos, considerados inadequados agora, só serão permitidos para manter código e documentação mais antigos, ou “ao atualizar código para uma especificação de hardware ou protocolo existente (a partir de 2020) que obriga esses termos”.

O movimento para eliminar gradualmente as terminologias mestre/escravo e lista negra/lista branca veio após uma proposta apresentada pelo mantenedor de kernel do Linux Dan Williams em 4 de julho. O criador do Linux, Linus Torvalds, aprovou a proposta na última semana em um pedido de retirada para o repositório Linux 5.8.

Uma tendência geral na comunidade tecnológica

A equipe do Linux se juntou a muitas empresas de tecnologia e projetos de código aberto que removeram referências a jargões racialmente carregados de seu código para uma linguagem mais neutra e inclusiva.

A lista inclui Twitter, GitHub, Microsoft, LinkedIn, Ansible, Red Hat, Splunk, Android, Go, MySQL, PHPUnit, Curl, OpenZFS, Rust, JP Morgan, entre outros.

A tendência de limpar a linguagem insensível a partir do código fonte, ferramentas e documentação tecnológica começou depois que os protestos black lives matter eclodiram nos EUA, desencadeados pela morte de George Floyd em Minneapolis em 25 de maio de 2020.

O objetivo principal desses esforços é tornar os produtos tecnológicos e ambientes de TI mais acolhedores para pessoas que sofrem algum preconceito com sua cor.

Alguns membros da comunidade tecnológica têm criticado o movimento como uma sinalização de virtude rasa, em vez de uma ação que ajuda pessoas de cor contra o racismo sistemático. No entanto, trabalhos publicados em revistas acadêmicas argumentaram anteriormente que continuar a usar termos acusados racialmente prolonga estereótipos raciais.