Google proíbe seus funcionários de usar o Zoom
Google proíbe seus funcionários de usar o Zoom

O Google está proibindo o uso da plataforma de teleconferência Zoom para os funcionários. A empresa está citando preocupações de segurança com o aplicativo que surgiram desde que o Zoom se tornou um dos serviços mais populares para bate-papo por vídeo gratuito durante a pandemia do COVID-19. A notícia foi relatada pela primeira vez pelo BuzzFeed News.

O Google enviou um e-mail aos funcionários na semana passada sobre a proibição, informando aos funcionários que tinham o aplicativo Zoom instalado em suas máquinas fornecidas pelo Google que o software logo não funcionaria mais. Vale ressaltar que o Google oferece seu próprio concorrente Zoom corporativo chamado Meet, como parte de sua oferta do G Suite.

“Há muito tempo temos uma política de não permitir que os funcionários usem aplicativos não aprovados para trabalhos fora da nossa rede corporativa”, disse o porta-voz do Google, Jose Castaneda, ao The Verge. “Recentemente, nossa equipe de segurança informou aos funcionários que usam o Zoom Desktop Client que não serão mais executados em computadores corporativos, pois não atendem aos nossos padrões de segurança para aplicativos usados por nossos funcionários. Os funcionários que usam o Zoom para manter contato com familiares e amigos podem continuar fazendo isso através de um navegador da Web ou via celular.”

O CEO da Zoom responde a questões de segurança e privacidade: “Tivemos alguns erros em falso” O Zoom adiciona novas medidas de segurança e privacidade para evitar o Zoombombing. Por que o Zoom se tornou tão popular e enfrenta uma reação de privacidade e segurança à medida que aumenta sua popularidade.
Mesmo muito antes da pandemia do COVID-19 vale destacar as vulnerabilidades do Zoom, a empresa estava enfrentando críticas por proteções de privacidade e segurança, como em julho do ano passado, quando uma falha do macOS permitiu que uma URL do Zoom ativasse à uma webcam do MacBook.

Desde que o Zoom emergiu como um provedor líder de teleconferência durante a pandemia, no entanto, outros problemas da plataforma foi ampliada, especialmente em torno da facilidade com que estranhos podem localizar e pular chamadas do Zoom. A prática agora é conhecida como “Zoombombing”, e o FBI diz que processará as pessoas por isso. Parte do motivo se deve ao fato de o Zoom nunca ter sido projetado para uso do consumidor nessa escala; a empresa disse que o serviço passou de 10 milhões para 200 milhões de usuários nos últimos três meses.

Outros problemas incluíram gravações expostas do Zoom, compartilhamento de dados não divulgados com o Facebook, perfis expostos do LinkedIn e um instalador “semelhante a um malware” para o macOS. A empresa agora enfrenta uma reação completa de privacidade e segurança. O Zoom respondeu correndo para tampar buracos e reforçar suas proteções corporativas e ao consumidor para impedir a forte concorrência das equipes Microsoft com o Skype e o G Suite do Google entre outros fornecedores de teleconferência mais tradicionais. Zoom disse no início deste mês que iria pausar novos recursos por 90 dias para se concentrar em privacidade e segurança.