EUA consideram bloquear acordos com maior fabricante de chips da China
EUA consideram bloquear acordos com maior fabricante de chips da China

EUA consideram bloquear acordos com maior fabricante de chips da China. As proibições comerciais americanas de empresas chinesas como Huawei e ZTE podem ter sido apenas o começo.

O Departamento de Defesa confirmou ao Wall Street Journal que as agências estão discutindo se vão adicionar ou não a Semiconductor Manufacturing International Corp. A maior fabricante de chips da China, a SMIC sofreria um sério golpe – não podendo obter muitos dos equipamentos americanos que precisa para testar chips.

Publicidade

Fontes que conversaram com o WSJ disseram que havia uma preocupação de que a SMIC pudesse estar ajudando a infraestrutura de defesa da China. A empresa de defesa americana SOS International emitiu recentemente um relatório alegando que a SMIC trabalhava com uma das maiores empresas de defesa da China e que pesquisadores universitários associados ao exército chinês estavam elaborando projetos para usar a tecnologia da SMIC.

Pode ser “impossível” para os esforços dos pesquisadores usar chips feitos em qualquer outro lugar, disse SOS. SMIC rejeitou a conexão de defesa em um comunicado, insistindo em que oferece chips e serviços “exclusivamente” para uso civil e que “não tem nenhuma relação com os militares chineses”.

SOS defende o relatório e argumenta que SMIC está “profundamente envolvido” em projetos militares. Os vínculos militares não foram estabelecidos com firmeza e não há garantia de que as discussões levem ao banimento.

No entanto, se os EUA adicionarem o SMIC à lista negra, isso poderá agravar dramaticamente uma guerra comercial já tensa. Como às vezes há poucas ou nenhuma alternativa sobre componentes e peças americanas, ela pode enfrentar sérias dificuldades para fabricar e manter suas fábricas.

Isso, por sua vez, poderia prejudicar clientes como a Huawei e outros gigantes chineses da tecnologia, muitos dos quais já estão sem opções de fabricação. A China pode expandir sua retaliação e prejudicar as empresas americanas que dependem da fabricação e de peças chinesas para seus produtos. A rixa pode ficar muito feia, muito rapidamente.